domingo, 2 de março de 2008

Catarina Fernandes - Estudante Física - Dos Olivais à Cidade Universitátia

Nome - Catarina Fernandes
Profissão - Estudante do curso de Física (Faculdade de Ciências UL)
Percurso - Olivais-Sul <-> Cidade Universitária

Olá Paulo,

Quando entrei para a faculdade pensei em deslocar-me de bicicleta para a faculdade mas diziam-me que era perigoso, demorava muito tempo, e para mais não tinha bicicleta, aliás já não andava de bicicleta desde os 13 anos. Não pensei sobre o assunto durante algum tempo. Passado um ou dois anos um colega da faculdade comprou uma bicicleta muita rasca (que ainda sobrevive) e começou a andar assim para todo o lado. Aquele bichinho renasceu ao ver tal exemplo. Comecei novamente a pôr em causa deslocar-me de bicicleta, só faltava a bicicleta! Decidi então inscrever-me no BikeTour Lisboa 2007 e ironicamente adquiri a bicicleta uma semana depois de ter a carta de condução e quando uma vez me perguntaram: - Então vais ter um carro?, eu
respondia (um pouco orgulhosa devo dizer): - Não, vou ter uma bicicleta! Algures em Junho do ano passado, comecei a fazer deste o meu transporte, foi óptimo para começar pois como estava em época de exames não tinha horários a cumprir e fui compreendendo o percurso, às vezes não me apetecia e ia de metro. No início custou um pouco e a bicicleta não era propriamente leve, eu moro num 8º andar e colocá-la no elevador custava mais do que o percurso na estrada. Mas agora desde que comprei um bicicleta de 14 kg já não é problema colocá-la no elevador, quanto mais andar pela cidade. Desde esta minha nova aquisição ando todos os dias de bicicleta. Deixei de carregar o meu passe de metro e troquei por um 7 colinas.

O que me leva a andar de bicicleta em Lisboa: tenho mais mobilidade e chego mais depressa ao destino do que se fosse de transportes públicos (de metro com sorte e a horas normais demoraria não menos do que 25 minutos, de bicla demoro 20 minutos nas calmas ,15 se for um pouco mais depressa - como costumo ir para casa à noitinha os 25 minutos no metro alagarvam-se para mais de meia hora...), e os meus amigos que andam de bicicleta já não têm de me levar à boleia ou de estar à minha espera. Estaciono a bicicleta onde quiser (comprei um cadeado bom). Vou ao "ginásio" todos os dias pelo menos 2 vezes ao dia (na ida e no regresso) e também vou para o ginásio de bicicleta. O combustível usado é a minha energia. O meu veículo não cheira mal, o mesmo não posso dizer dos meus companheiros da Av. do Brasil, de vez em quando tenho de torcer o nariz com tanto mau cheiro, esse mau cheiro às vezes faz com que não ande tão depressa como gostaria. Os gases nocivos que os carros emitem fazem mais mal ao condutor do que para a bicicleta, há estudos que referem que os condutores de automóveis, devido à existência do habitáculo recebem cerca do triplo de gases nocivos do que um ciclista que vai na estrada. Ultimamente tenho de me deslocar até à Av. da Liberdade em hora de ponta, vou desde a faculdade até lá e é impressionante como a esta hora a bicicleta ganha em muito em relação ao carro, demoro pouco mais de 10minutos, e a partir do Saldanha não há carro que me apanhe, vou sempre com todo o cuidado. De vez em quando ouço alguém a gritar vai para o Bus, mas o Bus é para os tranportes colectivos, e eu não sou um transporte colectivo, eu estou sozinha na minha bicicleta tal como muitos automobilistas estão sozinhos no seu automóvel.

Alguns pensamentos que tenho em relação à utilização da bicicleta como meio de transporte:Eu tenho o direito de andar na estrada, a minha velocidade é perfeitamenteaceitável para andar na cidade por entre os carros, se eu me deslocasse de automóvel estaria a ocupar um espaço muito maior. Nas subidas é só preciso ter um pouco de compreensão e perceber que parar é a morte do artista. Poupo dinheiro porque não gasto gasolina/gasóleo... estacionamento, taxas, seguros, etc. Ganho em saúde. O facto de andar de bicicleta faz também com que eu sinta estar a desempenhar um papel na não destruição do planeta e de ajudar a minha cidade a cumprir com as directivas da U.E. no que respeita à emissão de gases nocivos. Sou totalmente contra a utilização do automóvel como transporte de utilização diária e totalmente a favor do uso da bicicleta e dos transportes colectivos.

Gostaria de deixar uma mensagem aos meus amigos condutores da Av. doBrasil, obrigada pela vossa companhia! Mas preferia que me acompanhassem de bicicleta. Gostaria que os condutores de automóveis podessem compreender que as bicicletas mudam de faixa quando precisam de mudar de direcção, tal comoeu tento "compreender" alguns condutores (ALGUNS....) porque é que me fazem "rasas" (a mais de 50km/h!!!) com tanto espaço no outro lado. Quando experimentei andar sem capacete reparei que estas "rasas" diminuiram em muito e que tenho mais respeito por parte dos condutores, deixei de andar de capacete! É bom andar de bicicleta em Lisboa, redescobir a cidade e os seus buracos. Gosto de andar de bicicleta quer em Lisboa, quer noutro sitío qualquer. O facto de passar a deslocar-me de bicicleta fez com que descobrisse outras cidades europeias que já o fazem. Descobri a sociedade Dinamarquesa o excelente ensino que têm. Para o ano espero ir fazer o meu mestrado em Copenhaga na companhia da minha bicicleta, vai ser bom ver uma cidade/país onde todos, independentemente da idade andam de bicicleta onde até se vêm mães a transportar os seu filhos nas suas bicicletas. Se não tivesse este gosto nunca teria descoberto esta realidade. Gostaria de ver mais gente a andar de bicicleta e de transportes públicos. Gostaria de ver menos carros, de ver a cidade mais limpa e mais respirável. E acho que nunca hei-de perceber porque é que as pessoas ficam horas no trânsito sozinhas enquanto podiam estar a fazer outras coisas bem mais interessantes.

Boas pedaladas.

3 comentários:

CLUBE DESPORTIVO SUPER RADICAL disse...

2 sugestões, não deixe de andar sem capacete, o que diz, não parece ser o mais sensato, está provado que em caso de queda, um dos primeiros impactos é com a cabeça. Outra sugestão, e na minha opinião, é andar na faixa do BUS, reduz a sua insegurança. votos de boas pedaladas

armando cardoso disse...

olá Catarina, antes de mais gostei de lêr o que escreveu, mas não ande sem o capacete.
sou tambem um amante da bike, tenho um grupo de amigos que aos domingos fazemos os nossos passeios,alguns organizados por vários clubes e colectividades que há por aí pelo o nosso país.
Quando vou nesses passeios vejo centenas de pessoas, mulheres rapazes, raparigas,mais novos menos novos (no meu grupo de amigos há um menos novo com 68 anos ) e é uma maravilha vêr tanta gente que anda de bicicleta. pena é não havêr muito mais,alguns de nós tambem somos condutores de automóveis. Naturalmente quando vemos um companheiro nosso em cima da sua bike respeitamos, assim se todos os condutores de automóveis andasem de bicicleta teriam mais respeito por quem anda em cima de duas rodas.
Já tenho pensado ír para o trabalho de bike, serão mais ou menos ir e vir 16 km não é nada..., 8 de manhã 8 á tarde o problema é que a nossa cidade não tem parques para bikes.
Como há noutros Países, no espaço onde estaciona um carro dava para estacionar várias bikes.
E como não tenho a onde estacionar tenho procurar um candeeiro qualquer para prender a minha bike.
votos de boas pedaladas com CAPACETE.
armando cardoso

PS: visite este site talvez encontre algum passeio que lhe dê vontade de partecipar com os seus amigos http://www.fpcub.pt/portal/

Catarina disse...

Não vou andar de capacete.
Não faço BTT. Não ando por aí a fazer macacadas na estrada. Quando chove ou vejo um obstáculo reduzo a minha velocidade para nao derrapar nem cair. Claro que há sempre riscos e se tiver azar será por distracção minha ou de algum condutor. Eu minimizo os efeitos da distracção. Não estou a dizer que não se deva andar de capacete, apenas que eu não quero.
Julgo ter tantos ou menos riscos que um peão.
Quero andar de bicicleta livremente. Tal como se anda noutras cidades Europeias, não se vêm capacetes por esses lados e bicicletas são aos milhares.

Armando força nisso de levar a bike para o trabalho, só custa nos 1os dias (: e quanto ao parque não deixes que isso seja uma derrota, compra um cadeado bom e porquen não pedir autorização para deixares dentro do local onde trabalhas? Tens sempre o argumento de deixares Lisboa mais bonita e de não ocupares tanto espaço.